Notícias

Em Boticas há 1.500 cabras e ovelhas a ajudar a prevenir incêndios rurais

Fonte da imagem: autoctones.ruralbit

 

No concelho de Boticas há cerca de 1.500 cabras e ovelhas que estão a ajudar a prevenir incêndios rurais no âmbito de uma candidatura submetida pela cooperativa agrícola local ao programa "Cabras Sapadoras" lançado pelo Governo.
Em Boticas, distrito de Vila Real, a iniciativa resulta de uma candidatura apresentada ao programa "Cabras Sapadoras" que contou com a adesão de 10 pastores, tem 1.500 ovinos e caprinos e uma área de cerca de 100 hectares.

"As cabras foram durante muitos anos a forma de gerir combustíveis. É uma forma muito mais prática de controlar os matos", afirmou hoje o secretário de Estado à agência Lusa.

No terreno os animais pastam em zonas de risco de incêndios, fazendo a gestão de combustíveis e a limpeza de matos.

Segundo João Paulo Catarino, no país estão a ser apoiados pelo programa cerca de 12.000 animais dispersos por 53 projetos.

O presidente da cooperativa, Albano Álvares, disse à Lusa que, em Boticas, o projeto está "alicerçado nas novas tecnologias", explicando que os rebanhos possuem um `kit` de georreferenciação para seguir em permanência os trajetos dos animas e no terreno as cercas são alimentadas por energia solar.

Acrescentou que o financiamento de cerca de 50 mil euros vai ser distribuído pelos pastores ao longo dos cinco anos de duração do projeto, estando no segundo ano de implementação.

"Os rebanhos estão a contribuir, aliás eles contribuíram toda a vida, mas depois com o abandono do mundo rural obviamente que cada vez vai havendo menos pastores. Mas se nós fizermos uma localização precisa dos locais onde há probabilidades de incêndio e se pusermos os animais a pastorear nesses territórios, obviamente que eles mitigam e muito os incêndios nesses locais", salientou o dirigente.

Para João Paulo Catarino, a CAPOLIB é "um ótimo exemplo de como se pode e deve aproveitar um conjunto de instrumentos financeiros que têm estado a ser disponibilizados direta ou indiretamente pelo Ministério do Ambiente", como o Fundo Florestal Permanente, o Fundo Ambiental, o Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR) e o Programa de Desenvolvimento Rural (PDR).

"Esta cooperativa tem praticamente à volta de cinco milhões de euros de investimento em curso. Estamos a falar de taxas de comparticipação entre os 85% e os 100% para projetos como as `Cabras Sapadoras`, faixas de gestão de combustível, arborizações e rearborizações e condomínios de aldeia, que é no fundo a transformação da ocupação do solo à volta dos aglomerados populacionais para ocupações agrícola para ajudar a defender as edificações dos incêndios florestais", referiu.

São, na sua opinião, "apoios muito significativos" e que "transformam o Alto Tâmega".

Esta verba, financiada pelo REACT-EU, o mecanismo de emergência de Assistência à Recuperação para a Coesão e os Territórios da Europa, criado para responder à crise provocada pela pandemia, destina-se a reflorestação de áreas ardidas, arborizações de áreas baldias e instalações de pastagens melhoradas onde existirem rebanhos comunitários ou privados.


Fonte: RTP1 Consultar fonte
Data de publicação: 19/11/2021 09:21

Pub.