Notícias

Açores: Abate de bovinos aumenta 5,6% em 2022

Fonte da imagem: Noticias ao minuto

 

António Ventura, que falava numa visita ao Matadouro da Ilha Terceira, na Praia da Vitória, referiu que, em 2022, se voltou a atingir um novo recorde no abate regional, num total de 84.541 bovinos, “o maior abate de sempre verificado nos Açores”.

Este valor representa um aumento de 5,6% relativamente a 2021, ano em que o abate de 80 mil animais também tinha sido um número recorde, refere-se em nota de imprensa do Governo dos Açores.

De acordo com o titular da pasta da Agricultura, o consumo local de carne de bovino nos Açores no ano transato aumentou 9,2% relativamente a 2021.

António Ventura considera que este aumento no número de abates representa “vantagens e mais-valias no que diz respeito ao emprego local, ao rendimento dos produtores e também ao rendimento da própria Região Autónoma dos Açores”.

O governante salvaguardou que o aumento do turismo registado na região contribuiu para o aumento registado no consumo local.

O secretário regional reconheceu a relevância do trabalho desenvolvido pelo Centro de Estratégia para a Carne dos Açores (CERCA) na promoção da carne, através de ‘workshops’, jornadas e palestras na região, assim como da Federação Agrícola dos Açores, “o que tem levado a que a carne açoriana seja procurada”.

O titular da pasta da Agricultura do Governo Regional indicou que, em 2023, todos os animais que forem abatidos nos matadouros da região, resultando no produto final, que é a carne, estão certificados para a segurança alimentar”, sendo que foi iniciado em 2022 a certificação para o bem-estar animal dos Matadouros da ilha Terceira e de São Miguel.

O executivo açoriano pretende avançar este ano para a certificação de mais cinco matadouros dos Açores.

António Ventura apelou à iniciativa privada para investir nas áreas da transformação e da maturação da carne, considerando ser este “um novo potencial".

O responsável destacou que estão abertas as candidaturas, até 28 de fevereiro, de uma medida, no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), que apoia entre 50% a 75% as iniciativas privadas no âmbito da transição energética, da transição verde e da inovação, com um montante 8,5 milhões de euros.

 


Fonte: Açoriano Oriental Consultar fonte
Data de publicação: 04/01/2023 15:42

Pub.